Prática – pr

Sobre a teoria, de parar no agora, se por um segundo pensar que não estou com um maço de cigarro no bolso bate um certo desespero, talvez seja um pouco menor que desespero a palavra certa. Mas é como se faltasse algo, já penso no proximo momento que vou fumar.

É repetitivo e obssessivo, é complexo como tento parar o processo e falho, quando vejo tem desculpas como: so mais esse, mais um prego no caixão não faz diferenca, amanha eu paro, e quando tomo a conciencia do agora, ja comprei o maço, a coca cola e estou fumando.

Fumo entre 10 e 20 cigarros por dia, depende de como está o dia, se eu preciso de mais fugas ou menos, se corre tudo bem ou se não corre também. É o remédio e a doença, remédio pras fugas, doença pra minha vida.

É um pequeno histórico pra chegar aqui, vou parar de fumar, fumei o ultimo cigarro as 12:45 e entrei pra trabalhar, e não sai até o horario final, duas vezes pensei em fumar, quase desci, mas pensei e lembrei do meu filho, não no sentido clichê, mas no sentido de que se eu quero que ele pare de chorar, mudo o foco da atenção, e ele para de chorar entretido com outra coisa.

E isso serve para tudo, tudo que se dê atenção cresce. Estou com atenção para isso agora. Quem sabe o que planta não teme a colheita. Já colhi sofrimento demais.

Ainda não fumei cigarro. A boca tem gosto bem ruim, de fome com ressaca de cigarro.

A teoria está aqui.