66 dias

Falei sobre mudar um hábito, mas adivinha o que fiz hoje? Fumei, tomei coca logo de manhã denovo, e o detalhe é que fumei mais do que deveria. Acha que comprei maçãs para mascarar o hábito? Também não, e qual a conclusão, estou do mesmo jeito. E isso é óbvio, “para os mesmos processos terá os mesmo resultados”.

Algo me puxa para o pensamento, mais um não vai me matar, mesmo eu estando visivelmente prejudicado, sequer interajo com alguém pela vergonha que tenho de mim. Isso é óbvio também que é insalubre, afinal uma sociedade é feita de relação, e o pior de tudo é que os aspectos a seu respeito – quando não julgado pelo preconceito – tem a tendência a exalar, mesmo sem dizer uma palavra, aquilo que você é transparece pela congruência que tem de ter do seu corpo e seus pensamentos, afinal eles são um só, o veículo do seu espírito.

Como havia dito, conhecimento sem experiência e aplicação não é nada. Mas quando não existe ânimo nem pra fazer as mudanças físicas necessárias? Você é fraco e não está fazendo as coisas direito.

Como assim?

Se tudo vibra, se tudo é energia, porque não posso me recarregar a cada passo? Porque você já está cheio, tem uma história sobre isso, não sei de quem é:

O aprendiz passou por vários lugares a procura do seu sábio, e durante o processo aprendeu várias coisas e surgiram várias dúvidas, mas sempre continuou a procura. Quando conseguiu encontrar seu sábio, adentrou a casinha e seu sábio lhe ofereceu chá, ele aceitou e enquanto o sábio enchia a xícara do aprendiz, este se inclinou a perguntar tudo o que estava em sua mente, e o sábio continuava a encher a xícara, quando de repente o chá transbordou e derramou água quente em seu colo, enraivecido o aprendiz disse:

_O que é isso mestre, não vê que está derrubando chá em mim, venho de muito longe, passei por muitas coisas só para vê-lo e aprender mais consigo, lhe questionar sobre várias coisas?

O mestre respondeu:

_Não vê que você é como essa xícara, você me pergunta, mas esta cheio demais para compreender.

Dizem que a primeira lição do monge, é aprender a perguntar. Dois corpos não podem estar no mesmo lugar ao mesmo tempo, enquanto houver um copo cheio, nada irá entrar ali, e caso entre, este transbordará.

Onde quero chegar? Talvez esse não seja só o meu problema, de carregar muitas coisas, sempre estar cheio, não cheio de si, mas cheio para não receber nada de lugar nenhum. Ninguém está contra você, estão todos a favor de si mesmo e isso não é um problema.

Estando eu mais vazio, inclusive em pensamentos e sentimentos, talvez seja mais fácil reaprender como viver, e também me energizar com tudo que toca meus sentidos.